Bristol (Tipo 142) Blenheim

.
.
.
.
O Bristol Blenheim foi um bombardeiro ligeiro britânico projetado e construído pela Bristol Aeroplane Company, amplamente utilizado nos primeiros dias da Segunda Guerra Mundial. 
Foi um dos primeiros aviões britânicos a ter um revestimento totalmente metálico, trem de aterragem retrátil, flaps, uma torre de armas e hélices de passo variável.
O Blenheim Mk I, tinha melhor desempenho que a maioria dos caças da década de 1930, mas no inicio da Guerra era já incapaz de fazer frente ao Messerschmitt Bf 109. A variante Mark IV foi igualmente mal sucedida nas operações de bombardeamento diurno, sofrendo pesadas perdas nas fases iniciais da guerra.
Apesar disso foi adaptado como um caça de longo alcance, e caça noturno, enquanto se aguardava a disponibilidade do Bristol Beaufighter.
.
.
.
.
Ano
1936
Pais de Origem
Reino Unido
Função
Bombardeiro
Variante
Mk IV
Tripulação
3
Motor
2 x Bristol Mecury VI
Peso (Kg)
Vazio
4441
Máximo
6803

Dimensões (m)
Comprimento
12.98
Envergadura
17,17
Altura
3

Performance (Km)
Velocidade Máxima
428
Teto Máximo
8310
Raio de ação
2350
Armamento
Defensivo:
5 metralhadoras Browning de 7,7 mm (uma na  asa esquerda, duas na torre dorsal com controle mecânico e duas de controle remoto numa bolha sob o nariz apontando para o hemisfério traseiro inferior)
Ofensivo:
454kg de bombas na baía interna e 145 kg em suporte externo
Países operadores
Reino Unido, Austrália, Canadá, Croácia, Finlândia, França, Grécia, Índia, Nova Zelândia, Polónia, Portugal,Roménia, África do Sul, Peru, República da China, Jugoslávia
Fontes
.
GALERIA
.
Blenheim Mk I  (L8526), 1941
.
Blenheim Mk III
.
Blenheim Mk IV
.
Blenheim Mk V
.
Blenheim Mk I (Preservado)
.
Blenheim Mk IV (Preservado)
.
HISTÓRIA
.
Tudo começou em 1934, quando Lord Rothermere, dono do jornal Daily Mail, desafiou a indústria da aviação britânica a construir um avião de alta velocidade capaz de transportar seis passageiros e dois tripulantes. Na época, as empresas alemãs estavam a produzir uma variedade aviões de alta velocidade, como o mono motor Heinkel He 70, e Rothermere queria recapturar o título da aeronave civil mais rápida da Europa para o Reino Unido. A Bristol estava a trabalhar num designado como o "Tipo 135" desde julho de 1933, e procedeu a sua adaptação para atender aos requisitos de Rothermere, de onde resultou o que seria chamado “Tipo 142”.

Bristol Tipo 142
A aeronave voou pela primeira vez em Filton em 12 de Abril de 1935, tendo provado ser mais rápida do que qualquer caça ao serviço da Royal Air Force no momento. O Ministério da Aeronáutica, interessado em tais aeronaves, rapidamente enviou especificação B.28 /35 para protótipos de uma versão bombardeiro (Tipo de 142M).

A principal mudança foi mover a asa de uma asa baixa para uma posição asa média, permitindo espaço um compartimento de bombas na parte inferior da fuselagem.

A aeronave, totalmente em metal, era propulsionada por dois motores radiais de refrigeração de ar Bristol Mercury VIII, cada um de 860cv. A tripulação consistia em três pessoas Piloto, navegador/bombardeiro e telegrafista/artilheiro, o armamento compreendia uma metralhadora Browning de 7,7mm na popa do motor de bombordo, uma metralhadora Lewis de 7,7 mm numa torre dorsal semi-retrátil disparando para trás (a partir de 1939 esta arma foi pela metralhadora mais moderna Vickers VGO do mesmo calibre). A carga ofensiva consistia em 450 kg de bombas transportadas na baía interna.

Para atingir a sua velocidade relativamente elevada, o Blenheim tinha uma secção da fuselagem transversal muito pequena, com a sua parte dianteira superior envidraçada numa "cabine continuamente variável" .

Blenheim Mk I (K7033) Primeira aeronave de
produção e unico protótipo
Como a maioria das aeronaves britânicas contemporâneas, as portas da baía de bombas eram mantidas fechadas com cordas elásticas e abria sob o peso das bombas lançadas.Esta solução tornava os bombardeamentos muito pouco precisos porque não havia nenhuma maneira de prever quanto tempo levariam as bombas a abrir as portas da baía.

A aeronave foi encomendado diretamente do modelo desenhado para o primeiro modelo de produção passando a designar-se por Blenheim Mk I. As entregas subsequentes começou em 10 de março de 1937, com 114 Esquadrão de ser o primeiro esquadrão para receber a Blenheim. Esta variante foi construída sob licença por países como a Finlândia e a Jugoslávia, que construiu 60 aeronaves, e comprada por outros países como a Roménia, Grécia e Turquia. A produção total do Blenheim Mk I na Inglaterra foi 1.351 aeronaves.

O Blenheim Mk II, que aumentou os tanques de combustível para 2127litros, pretendia ser uma aeronave de reconhecimento de longo alcance mas apenas uma foi construida.

Blenheim Mk IV
O Blenheim Mk III, que alongou o nariz, dispensada a "cabine continuamente variável", melhorando a visibilidade do piloto e proporcionando mais espaço ao bombardiador, o que exigiu que o nariz fosse"esvaziado" á frente do piloto para manter a visibilidade durante a descolagem e aterragem.

Estas modificações foram combinadas com a mudança para motores Mercury de 905cv, mais recentes , e da torre dorsal que adquiriu um par de Browning de 7,7mm, criando o Blenheim Mk IV. Um total de 3307 foram produzidos.

Outra modificação levou a uma versão de caça de longo alcance, o Blenheim Mk I F. Para este papel, cerca de 200 Blenheim foram equipados com um pacote de armas sob a fuselagem para quatro metralhadoras Browning de 7,7mm. Mais tarde foi montado um radar em algumas aeronaves para como caças noturnos (estes foram as primeiras aeronaves britânicas a ser equipadas com radar. Apesar disso o seu desempenho foi marginal.

A última variante, Blenheim Mk V, era um bombardeiro concebido para ataque ao solo. Com um nariz sólido e blindado contendo mais quatro metralhadoras Browning, e uma estrutura reforçada.O Mk V foi usado principalmente no Oriente Médio e Extremo Oriente.

Blenheim Mk V
O Blenheim serviria de base para a construção do bombardeiro torpedeiro Beaufort, que posteriormente conduziria ao Beaufighter.

No dia em que a guerra foi declarada, um Blenheim pilotado por voo oficial Andrew McPherson foi o primeiro avião britânico para cruzar a costa alemã e na manhã seguinte 15 Blenheim de três esquadrões partiram para uma das primeiras missões de bombardeamento. Porém os rápidos avanços na tecnologia, que tiveram lugar no final de 1930, tinham já tornado a aeronave obsoleta.

As unidades de Blenheim que operaram durante a batalha de Inglaterra, sofreram muitas vezes pesadas baixas, embora nunca tivessem a publicidade dada aos esquadrões de caça.

Houve algumas missões que produziram uma taxa de baixas de quase 100% entre os Blenheim. Uma dessas operações foi montada em 13 de agosto de 1940 contra um aeródromo Luftwaffe perto de Aalborg, no noroeste da Dinamarca por 12 aeronaves do Esquadrão 82º. Um Blenheim voltou mais cedo (o piloto foi mais tarde teve que comparecer perante um tribunal marcial, mas foi morto noutra operação). Os outros 11, que chegaram á Dinamarca, foram abatidos, cinco por artilharia antiaérea e seis por Bf-109.

Pormenor do nariz do Blenheim Mk IV 
Em todos os papeis que assumiram os Blenheim provaram ser muito lentos e vulneráveis as defesas antiaéreas e aos caças da Luftwaffe, tendo-se tornado vítimas constantes.

O Blenheim continuou a operar amplamente em muitas funções de combate até cerca de 1943, equipando esquadrões da RAF no Reino Unido e em bases britânicas no Egito, Iraque, Aden, Índia, Malásia, Singapura, e as Índias Orientais Holandesas.

Substituição do Blenheim como um bombardeiro diurno, estava prevista para um outro projeto da Bristol, o Buckingham, que no entanto acabaria por ser ultrapassado pelo De Havilland Mosquito, não tendo chegado a entrar em produção.

EM PORTUGAL


.
Em Julho de 1941, um Bristol Blenheim Mk IV aterrou de emergência em Faro, sofrendo danos ligeiros. Foi apreendido, reparado e integrado na Aeronáutica Militar (AM), sendo o primeiro a entrar ao serviço em Portugal. Em 17 de Novembro de 1942 foi integrado na AM outro Blenheim, este da versão Mk V que aterrou em Portugal em condições semelhantes ao anterior.

Blenheim Mk IV, AM Portuguesa sobre Lisboa (composição)
Paralelamente decorriam negociações no âmbito do acordo com o Governo britânico para a utilização de bases militares nos Açores, sendo o fornecimento de aviões proposto como contrapartida. Como parece ter sucedido com os Vickers-Armstrong Wellington, os negociadores acordaram o fornecimento de alguns Blenheim para a Aeronáutica militar e para a Aeronáutica naval.

Em 1943 Aeronáutica Naval recebeu 12 Bristol Blenheim Mk IV F, com armamento adequado à luta anti-navio, incluindo uma gôndola, colocada assimetricamente sob o nariz, quatro metralhadoras fixas de calibre 7,7 mm, e tal como os aviões da versão Mk V, podendo também transportar um torpedo sob a fuselagem. Estas Aeronaves foram colocadas na Esquadrilha B da Aviação Naval, baseada no Aeroporto da Portela de Sacavém, em Lisboa, e destinados a missões anti-navio.

As aeronaves, mantiveram as pinturas de origem. Ostentavam a Cruz de Cristo, sobre círculo branco, em ambos os lados das asas. As cores nacionais, sem escudo, cobrindo todo o leme de direção, bem como a matrícula nos lados da fuselagem, em caracteres brancos. Ostentavam uma pequena âncora preta no estabilizador vertical.

Blenheim Mk V, AM Portuguesa, BA Ota
Adicionalmente aos dois aviões apreendidos, a Aeronáutica Militar recebeu 11 Bristol Blenheim, durante o ano de 1943, dos quais 9 Mk IV e 2 Mk V. Estas aeronaves foram integrados na Esquadrilha ZE da Base Aérea Nº 2 na Ota.

Os aviões mantiveram a camuflagem da RAF, com as superfícies superiores em castanho-terra e verde-escuro e as inferiores em azul-céu. Ostentavam a Cruz de Cristo, sobre círculo branco em ambas as faces das asas. Na fuselagem apresentavam as letras que designavam a Esquadrilha (ZE) e a letra da ordem do avião na Esquadrilha pintadas a branco e separadas pela Cruz de Cristo, pintada sobre a camuflagem (sem círculo branco) e ainda o número de matrícula da AM, em pequenos algarismos brancos, junto ao estabilizador horizontal. Em ambos os lados do estabilizador vertical encontravam-se as cores nacionais, sem escudo, num pequeno retângulo.

Os Bristol Blenheim foram desativados durante o ano de 1944.

DESENHOS
.


PERFIL
.

FONTES
VER TAMBÉM
.
  • Bristol Blenheim MK.IF restaurado  pela The Aircraft Restoration Company at Duxford, em voo de apresentação em 2014