Lockheed SR-71 Blackbird

.
.
.
.
O Lockheed SR-71 "Blackbird" foi uma aeronave de reconhecimento estratégico de longo alcance, e alta velocidade (Mach 3+) operada pela USAF (United States Air Force). Foi desenvolvido como um black project a partir do avião de reconhecimento da CIA, Lockheed A-12 Oxcart, criado em finais da década de 1950 início da de 1960 pelo conceituado engenheiro aeroespacial Clarence "Kelly" Johnson, responsável por muitos dos conceitos originais e inovadores integrados no SR-71, nomeadamente a capacidade furtiva, ainda que básica.
No decorrer das missões de reconhecimento o SR-71 operava a altitudes e velocidades tão elevadas que lhe permitiam, virtualmente, escapar a qualquer ameaça. Caso o seu avançado sistema de contramedidas detetasse uma ameaça, fosse ela um míssil ou um intercetor bastava-lhe acelerar até a sua velocidade e altitude de cruzeiro para ficar fora do seu alcance.

Lockheed A-12 Oxcart - Precursor do SR-71 Blackbird

.
.
.
.
O Lockheed A-12 foi uma aeronave de reconhecimento construída para a Central Intelligence Agency (CIA) do EUA, pela Skunk Works da Lockheed, com base em projetos de Clarence "Kelly" Johnson. Foi designada por A-12, por ser o resultado do 12º design de um programa de desenvolvimento internamente designado por Archangel I. Competiu no programa Oxcart da CIA contra a proposta do Convair Kingfish em 1959 e ganhou o contrato de desenvolvimento e posterior construção. Foi produzido de 1962 a 1964 e operado de 1963 a 1968, sendo o precursor do intercetor YF-12A, e do inultrapassável SR- 71 Blackbird, que se tornaria o mais importante ativo de reconhecimento estratégico da USAF durante a segunda metade da guerra fria. O programa, considerado um “Black Projet”, apenas foi oficialmente revelado em meados da década de 1990. Um oficial da CIA escreveria mais tarde que o nome "Oxcart” fora selecionado de uma lista aleatória de nomes de código para designar o programa de pesquisa e desenvolvimento do A-12.

North American XB-70 Valkyrie - A lenda do Mach 3

.
.
.
.
O North American XB-70 Valkyrie foi o protótipo de um bombardeiro estratégico proposto para o Comando Aéreo Estratégico (SAC) da USAF que teria sido o bombardeiro de maior desempenho até hoje construído, se não se tivesse tornado politicamente obsoleto face aos novos desenvolvimentos tecnológicos. 
Projetado no final da década de 1950 , o Valkyrie era uma grande aeronave, impulsionada por seis motores, capaz de voar a uma velocidade de cruzeiro de Mach 3+, e a uma altitude de 21 mil metros, o que lhe permitiria evitar os intercetores, o único agente anti-bombardeiro disponível na época. 
A introdução de mísseis superfície-ar eficazes a alta altitude, os elevados custos de desenvolvimento e a mudança no ambiente tecnológico com a introdução de mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs) levaram ao cancelamento do programa B-70 em 1961. Os dois protótipos, construidos com a designação XB-70A foram utilizados para realizar voos de teste supersónico entre 1964 a 1969

Sukhoi T-4 Sotka - O Valkyrie Soviético

.
.
.
.
O Sukhoi T-4 Sotka, por vezes também designado por Su-100, foi o protótipo de avião supersónico destinado a missões de bombardeamento (incluído bombardeamento nuclear estratégico), reconhecimento, e operações anti-navio, desenvolvido na União Soviética pela Sukhoi durante a década de 1960 até início da década de 1970. 
O objetivo era desenvolver uma aeronave análoga ao North American XB-70 Valkyrie capaz de atingir velocidade de mach 3 (3200 km/h), porém após a construção de um protótipo que exigiu um esforço maciço na pesquisa de tecnologias de materiais e fabrico de estruturas capazes de suportar o voo sustentado à velocidade supersónica estipulada, em 1974, o Ministério da Indústria da Aviação ordenou a suspensão do programa de desenvolvimento, e um ano depois em dezembro de 1975 o projeto T-4 seria oficialmente cancelado. O único protótipo concluído designado para destruição. Sobreviveria no entanto estando hoje patente a público no Museu Central da Força Aérea Russa em Monino perto de Moscovo.

SAAB J 35 Draken

.
.
.
.
O SAAB J 35 Draken foi um dos mais famosos caças projetados e construídos na Suécia pela SAAB e foi o primeiro avião de combate totalmente supersónico implantado na Europa Ocidental. Foi desenvolvido a partir de finais da década de 1940 inícios da de 1950 e caracterizava-se por possuir uma inovadora e nunca antes experimentada asa de duplo deltaO Draken foi introduzido ao serviço da Real Força Aérea Sueca (Flygvapnet) em março de 1960 destinando-se exclusivamente à defesa aérea do país. Operou como um caça supersônico durante todo o período da Guerra Fria sofrendo ao longo desse período várias atualizações, que culminaram na sua versão final o J 35J. Durante a década de 1980 os Draken foram em grande parte substituídos pelo caça mais avançado Saab 37 Viggen mas algumas unidades mantiveram-se ao serviço da Flygvapnet até 1999.
O Draken foi exportado para a Áustria, Dinamarca, e Finlândia e algumas unidades para os EUA onde operaram como aeronaves de instrução para pilotos de testes.