Zeppelin - Dirigiveis rigidos alemães

.
.
.
.
A palavra Zeppelin (Zepelim em português), hoje sinónimo de “dirigível rígido”, ou “dirigível”, teve origem no nome do conde Ferdinand von Zeppelin, que no início do século XX projetou e construiu os primeiros dirigíveis rígidos, tornando-se pioneiro no transporte aéreo de passageiros e carga por via aérea. Nos anos que antecederam a Primeira Grande Guerra, o exército e marinha alemãs viram o Zeppelin como uma potencial arma de guerra e por isso financiaram as pesquisas da Luftschiffbau-Zeppelin,GmbH que o Conde criara para construir e explorar comercialmente as aeronaves. Durante a Guerra o exército e principalmente a marinha alemãs fizeram uso extensivo de dirigíveis para reconhecimento e bombardeamento (mais de 100 dirigíveis foram construído e usados durante a Guerra), mas foi nas décadas de 1920-30 que os Zeppelins atingiram o auge, estabelecendo rotas de transporte de passageiros entre a Europa e a América. Poucos anos antes do início da Segunda Guerra Mundial, o Zeppelin seria eclipsado dos céus devido ao acidente do LZ-129 Hidenburg., que, não sendo o mais grave dos acidentes ocorridos com dirigíveis, seria o pretexto para a irradicação destas aeronaves do uso civil. 

Supermarine Spitfire

.
.
.
.
Talvez nenhuma outra aeronave tenha atingido tanta fama como o Supermarine Spitfire, um caça britânico, geralmente considerado como um dos melhores caças a imergir da Segunda Guerra Mundial. 
Beneficiando de constantes melhorias e aperfeiçoamentos durante todo o seu período de produção, esteve sempre um passo a frente dos adversários mais directos, e manteve-se ao serviço da RAF durante toda a Segunda Guerra Mundial, e posteriormente até aos anos 50 do Séc. XX. 
No final da Guerra os inumeros Spitfire sobreviventes que se tornaram excedentários da RAF, foram adquiridos por mais de 30 forças aéreas de todo o mundo, tendo sido usados em conflitos regionais incluindo a Guerra da Coreia.
Ao todo foram produzidos 20351 spitfires nas suas, cerca de 40 versões, um número que o tornou o segundo caça mais produzido na Guerra (ultrapassado apenas pelo Alemão Messerschmitt Bf 109). 

Bloch MB.150

.
.
.
.
O Bloch MB.150 foi o primeiro de uma família de caças originalmente desenvolvidos em França pela Société des Avions Marcel Bloch em resposta a um concurso de 1934 do ministério ar, posteriormente construído pela Société Nationale des Constructions Aéronautiques du Sud-Ouest (SNCASE), após a nacionalização da industria aeronáutica francesa.
Durante o período em que operou no inicio da Segunda Guerra Mundial, demonstrou ser uma aeronave robusta, e estável como plataforma de armas, no entando possuia um raio de combate demasiado curto, uma baixa taxa de subida, e um armamento deficiente (embora poderoso era pouco confiável). Mesmo assim, os MB.151/152 alegam ter destruído 190 aviões inimigos com apenas 86 perdas durante os primeiros dias da batalha de França.
Após o armistício, seis esquadrões de MB.150 continuaram a voar sob o regime de Vichy, mas até 1942 foram totalmente retirados da frente de combate, substituídos pelos Dewoitine D.520.

Viking (Bombardier/Canadair) (CL-515)/CL- 415/CL-215T/CL-215

.
.

.
.
Canadair CL-415 SuperScooper, vulgarmente conhecido no meio simplesmente como Canadair, é o avião anfíbio de combate a incêndios mais famoso da história da aviação. Resultou do desenvolvimento do anterior Canadair CL-215, criado na década de 1960 com base no conceito de bombardeiro de água anfíbio, e tornou-se numa ferramenta extremamente eficaz de combate aos fogos florestais. Na sua atual configuração é propulsionado por dos motores turboélice Pratt & Whitney de 2380cv de potência, montados numa asa alta, e o casco, robusto e resistente, carrega reservatórios de água com capacidade de 6100 litros que podem ser reabastecidos em 12 segundos numa curta passagem de 410 metros sobre um espelho de água (rio, lago ou albufeira), a 130 km/h. É atualmente considerado a ferramenta mais eficiente para o combate aéreo a incêndios florestais, sendo por isso uma peça fundamental nas estruturas de combate a incêndios de um grande número de países.

Blohm & Voss (Ha) Bv 141

.
.

.
.
O Blohm & Voss Bv141 foi um dos mais estranhos projetos da história da aviação. Foi uma aeronave alemã da Segunda Guerra Mundial, projetada por Richard Vogt para a Luftwaffe, para missões táticas de reconhecimento aéreo e bombardeamento ligeiro, que se tornou notável pelo seu design estruturalmente assimétrico, nada convencional.
Parecia que o desenho assimétrico desequilibrava perigosamente o avião, no entanto, os testes de voo confirmaram a excelente estabilidade e manobrabilidade da máquina. 
Embora tenha revelado boa performance, acabaria por não ser escolhida para produção em massa, em grande parte devido ao facto do seu motor estar disponível em quantidades limitadas (o motor era o usado no caça Focke-Wulf 190 considerado prioritário) e por haver outras aeronaves de reconhecimento disponíveis, como o Focke-Wulf Fw 189, que utilizava motores não estratégicos.