Grumman OV-1 Mohawk

.
.

.
.
Grumman OV-1 Mohawk foi um avião de vigilância e observação de campo de batalha desenvolvido e construído para o Exército Norte Americano (US Army) a partir de finais da década de 1950 pela Grumman Aircraft. O primeiro protótipo voou em 14 de abril de 1959, e a produção em serie foi iniciada no mês de outubro seguinte.
Entre 1957 e 1969 foram construídas 380 aeronaves, em quatro versões diferentes, as três primeiras destinadas a funções especializadas de reconhecimento, fotográfico, por radar e por infravermelhos, e mais tardiamente uma quarta, que aglutinava as capacidades das anteriores versões. Adquiriu a designação definitiva, OV-1 Mohawk, em 1961 e esteve ao serviço do Exército Norte Americano na América, Europa, Coreia, Vietname, e Médio Oriente.
Os últimos Mohawk do Exército operavam na Coreia patrulhando a zona desmilitarizada em redor do paralelo 38 quando foram retirados do serviço operacional em setembro de 1996.

SEPECAT Jaguar

.
.
.
.
SEPECAT Jaguar é uma aeronave de ataque tático, resultado de um projeto conjunto da inglesa BAC (atual BAE), e da francesa Breguet (atual Dassault), que criaram para o efeito a Société Européenne de Production de l'Avion d'École de Combat et d'Appui Tactique (SEPECAT)
Originalmente concebido como um avião de instrução avançada e apoio tático, viria a evoluir para um caça-bombardeiro por excelência. 
O primeiro protótipo voou em setembro de 1968, dando origem a quatro versões básicas de produção, duas para a Royal Air Force (RAF) e duas para o Armée de l'air (AA), sendo ainda construído um protótipo para uma versão naval, o Jaguar M, que no entanto não entraria em produção. 
Os Jaguar ingleses e franceses tiveram sua hora de glória durante a Guerra do Golfo, onde foram extensivamente utilizados, mas a aeronave foi adotada por outros países entre eles OmãEquadorNigéria e Índia, atualmente o maior operador do Jaguar, numa versão construida e modernizada localmente pela HAL (Hindustan Aircraft Ltd).

Chengdu J-10

.
.
.
.
O Chengdu J-10 (identificado por Firebird, pela NATO) é um caça polivalente de 4ª geração projetada pelo Instituto de Design de Aeronaves de Chengdu (Instituto 611) e construída pela empresa chinesa Chengdu Aircraft Industry Group (CAIG) ou Chengdu Aerospace Corporation (CAC), a partir da década de 1990, primariamente para a força aérea chinesa (PLAAF).
Durante o período em que o J-10 esteve em desenvolvimento a força aérea chinesa operava cerca de 250 aeronaves de defesa aérea e de ataque ao solo Chengdu J-7 (Fishcan), basicamente aeronaves MiG-21 de construção chinesa, e cerca de 500 aeronaves de ataque Nanchang Q-5 (Fatan) desenvolvido na china a partir do MiG-19.
Introduzido em operação partir do ano 2000, o Chengdu J-10 tornou-se no mais avançado avião de combate da força aérea chinesa assim permanecendo até ao advento do Chengdu J-20 introduzido em operação a partir de 2017.

Northrop Grumman B-2A Spirit

.
.
.
.
O Northrop Grumman B-2 Spirit é um bombardeiro estratégico com características furtivas (stealth) desenvolvido na década de 1980 para a USAF. Foi a primeira asa voadora a tornar-se plenamente operacional, e é a maior aeronave furtiva e a mais cara aeronave militar até hoje construída. Devido ao seu elevado custo de produção e operação, o projeto foi bastante controverso no Congresso dos Estados Unidos e mesmo entre os membros do Estado-Maior Conjunto dos Estados Unidos (Joint Chiefs of Staff), ao ponto de, das planeadas 132 aeronaves previstas apenas 21 terem sido construídas para uso da USAF.

O custo de produção de cada B-2A foi de 737 milhões de dólares a preços de 1997, mas o preço médio pago por cada aeronave ascendeu a 929 milhões de dólares, incluindo sobresselentes, atualizações de equipamento e software. O custo total do programa, incluindo custos de desenvolvimento, engenharia e testes, é estimado em cerca de 2450 milhões de dólares por aeronave, e estima-se que o custo de cada hora de voo ascenda a 135 mil dólares, a preços de 2002

Lockheed F-117A Nighthawk

.
.
.
.
O Lockheed F-117 Nighthawk foi um avião de ataque tático furtivo, desenvolvido durante a década de 1980 pela Lockheed Advanced Development Company (Skunk Works ) a partir do demonstrador de tecnologia Have Blue. Desenvolvido sob um manto de grande secretismo apenas foi revelado ao público em 1988, sete anos depois do seu voo inaugural que ocorrera em 1981 e cinco anos passados após ter sido considerado operacional. Projetada para penetrar secretamente na zona de defesa aérea do inimigo, tem como principais alvos definidos as instalações de radar, bases de mísseis, centros de controle e comunicação, aeródromos e postos de comando. Foi o primeiro avião a ser projetado com tecnologia stealth (baixa visibilidade ao radar), daí resultando a sua forma incomum, que não mais voltaria a ser usada até hoje. A sua forma deve-se aos painéis planos dispostos de forma angular para refletir e redirecionar para os lados as ondas de radar, não permitindo que regressem à estação de radar receptora. No entanto para ser invisível aos radares o F-117 não pode possuir sistemas ativos de radar o que o torna praticamente cego, excluindo o sistema laser de iluminação de alvos todos os seus sistemas de navegação e aquisição de alvos são passivos.