Avro 696 Shackleton

--
.
.
.

O Avro Shackleton foi uma aeronave de patrulha marítima de longo alcance, britânica, cujo nome é uma homenagem ao explorador polar Sir Ernest Shackleton, usada pela Royal Air Force (RAF) e da South African Air Force (SAAF). Foi desenvolvido pela Avro a partir do bombardeiro Avro Lincoln, que era ele próprio um desenvolvimento do mais famoso bombardeiro britânico da Segunda Guerra Mundial o Avro Lancaster
Nas funções de patrulha maritima operou até 1970 na RAF, altura em que foi substituido pelo Hawker Siddeley Nimrod
Foi posteriormente adaptado para operar em funções de alerta aéreo anticipado (AEW) para a RAF, cumprundo essas funções até 1990 altura em que foi substituido pelo Boeing E-3 Sentry.
.
.
.
.
Ano
1949
Pais de Origem
Reino Unido
Função
Reconhecimento Maritimo
Variante
Shackleton MR Mk.2
Tripulação
10
Motor
4 x Rolls-Royce Griffon 57, V12
Peso (Kg)
Vazio
23300
Máximo
39000

Dimensões (m)
Comprimento
26,62
Envergadura
36,58
Altura
5,10

Performance (Km)
Velocidade Máxima
439
Teto Máximo
7010
Raio de ação
6440
Armamento
Defensivo:
dois canhões Hispano de 20 mm no nariz
Ofensivo:
até 4536 kg na baía ventral interna, para bombas, torpedos ou cargas de profundidade
Países operadores
Reino Unido,  Africa do Sul
Fontes
Airwar.ru
.
GALERIA
.
Shackleton MR Mk.1
.
Shackleton MR Mk.2C, 1952
.
Shackleton MR Mk.3 da SAAF, 2006
.
Shackleton AEW.2 Mk.2, HMS Illustrious
.
Shackleton AEW.2 Mk.2, Malta, 1990
.
Shackleton MR Mk.2, RAF, Iemen, 1963
.
HISTÓRIA
.
O Shackleton foi projetado para satisfazer um pedido de 1946 para um conjunto de novas aeronaves de patrulha marítima de longo alcance baseadas em terra, a utilizar pelo Comando Costeiro da Royal Air Force.

Projetado por Roy Chadwick , a partir do bombardeiro Avro Lincoln (ele próprio um derivado do Lancaster) como Lincoln ASR.3 mais tarde tornar-se-ia conhecido simplesmente como Avro Tipo 696 Shackleton, voou pela primeira vez em março 1949, e, em abril de 1951, entrou ao serviço do Comando Costeiro da RAF.

Avro Shackleton AEW.2 Mk.2
O Shackleton manteve a asa e o trem de aterragem do Lincoln, mas a fuselagem foi completamente redesenhada, sendo mais curta mais larga e mais alta fornecendo com espaço para uma tripulação de 10 pessoas. A extremidade traseira era estendida para fora após a cauda, que tal como o Lincoln dispunha de aletas verticais individuais, nas extremidades do leme de profundidade. O Shackleton era equipado quatro motores Rolls­Royce Griffon refrigerados a líquido ( estes motores seriam notados por exigir uma grande dose de atenção durante toda a carreira do avião e cada motor foi equipado com duas hélices de três pás em contra rotação ­ (foi o primeiro avião de quatro motores britânico a usar este tipo de propulsor.

O Shackleton MR.1 (Inicialmente designado por GR1) entrou em serviço em abril de 1951, no 120º esquadrão da RAF em Kinloss na Escócia. Foram construídas Setenta e sete aeronaves MR.1 e MR.1A, incluindo os protótipos, tendo a produção terminado em julho de 1952.

O MR.2 apareceu em 1952 (com alterações introduzidas através de feedback operacional) e distinguia-se pela sua bolha ventral em oposição à montada no queixo de seu antecessor. O trem de aterragem foi reforçado e as seções do nariz e cauda foram redesenhadas e alongados. O novo nariz aerodinâmico seria equipado com um duplo canhão de Hispano de 20 mm, acima do lugar artilheiro. Em vez de radar bolha na parte frontal inferior da versão anterior foi instalada uma cúpula retrátil ventral, que permitia uma panorâmica de 360 ​​graus. Os canhões da cauda foram removidos e a carenagem foi alongada e tornada num posto de observação. O trem de aterragem traseiro monociclo não-retráctil foi substituído por um retráctil de duas rodas.

Avro Shackleton MR Mk3
O MR.3 (Avro 716 Shackleton Mk.3) apareceria em 1955 com toda uma série de mudanças em resultado do feedback operacional. Estas alterações incluíam tanques de combustível montados nas pontas das asas, uma fuselagem maior, a cabina passou a ser à prova de som e a ter melhor visibilidade, passando a dispor de espaço adicional para a segunda tripulação em caso de uma longa patrulha. O aumento do peso total levou ao uso de trem de aterragem triciclo retrátil com barra de nariz e rodas duplas e à instalação de dois turbojatos Viper Mk 203 para a assistência de na decolagem se necessário. A ausência da torre dorsal era alteração mais notável no especto da aeronave, bem como a presença de pontos de reforço sob as asas, onde era possível transportar mísseis. O armamento defensivo era agora composto dois canhões Hispano de 20 milímetros montados no nariz, e o ofensivo consistia em 4500Kg de bombas, torpedos ou cargas de profundidade transportadas na baía interna.

A aeronave foi utilizado nas funções de reconhecimento marítimo (MR) Guerra Anti-Submarino (ASW ) entre 1951 e 1972 e, posteriormente, como um avião de alerta aéreo antecipado (AEW - Airborne Early Warning), com a instalação de radar AN / APS-20.

A última versão deste avião-veterano foi o Shackleton AEW.2 Mk.2, desenvolvido em 1971 pela empresa British Aerospace. Foram modificadas 12 aeronaves Mk.2 substituindo a bolha ventral por um cone convexo fixo, localizado na frente do compartimento de bombas que acomodava um radar de busca APS-20. Outras mudanças exteriores consistem numa ampla variedade de antenas. A aeronave seria manter-se-ia nestas funções ate a sua substituição na RAF pelo Boeing E-3D Sentry AEW Mk.1.
Avro Shackleton WR963 em Coventry, para restauro
pela Peservation Trust

Oito das 42 aeronaves Mr.3 produzidas foram fornecidos a Força Aérea Sul-Africana, onde operaram até 1984.

Foram construídas um total de 185 aeronaves das quais resta apenas um exemplar em condições de voo, na África do Sul. Numerosos outros estão em exibição estática em todo o mundo, com cerca de uma dúzia à vista emvários locais do Reino Unido.

Em termos operacionais o Shackleton foi utilizado durante a Campanha do Suez em 1956 e mais tarde foram envolvidos operacionalmente no Sul da península arábica do Sul durante a Emergência de Áden de 1963-1967.


DESENHOS
.



PERFIL
.



FONTES
VER TAMBÉM
.