Avro 698 Vulcan

.
.
.

Avro Vulcan é um bombardeiro estratégico de grande autonomia fabricado no Reino Unido pela A.V. Roe and Company (Avro).
Facilmente identificado por suas asas em delta, foi um dos três modelos do chamado trio mágico da Real Força Aérea, os "V Bombers", sobre o qual repousou por mais tempo a dissuasão nuclear do Reino Unido.
Foi também um notável bombardeiro tácito de baixa altitude (versão B.2), apesar de não dispor de armamento defensivo.
.
.
.
.
Ano
1952
Pais de Origem
Reino Unido
Função
Bombardeiro estratégico
Variante
B2
Tripulação
5
Motor
4 × Bristol Siddeley Olympus 200-series, 301
Peso (Kg)
Vazio
37144 (B1)
Máximo
93000

Dimensões (m)
Comprimento
30,45
Envergadura
33,83
Altura
8,26

Performance (Km)
Velocidade Máxima
1038
Teto Máximo
19000
Raio de ação
3700 ou 4630 com reabastecimento
Armamento
1 × missil Blue Steel ou
1 × bomba nuclear Yellow Sun Mk.2
21 × bombas convencionais de 450 kg)
Países operadores
Reino Unido
Fontes
.
GALERIA
.
Avro Vulcan, Farnborough, 1962
.
Avro Vulcan B2
.
Aterragem de um Avro Vulcan B2
.
Baia de bombas do Vulcan B2
.
Vulcan B2  misseis Douglas Skybolt 
.
 Avro Vulcan B2, 1980
.
HISTÓRIA
.
O Avro Vulcan voo durante mais de duas décadas como um dos principais componentes das forças nucleares da Guerra Fria do Ocidente. Este enorme jato com asa delta foi uma das aeronaves mais graciosas e ameaçadoras de sempre comprometidas com a dura realidade da dissuasão nuclear. O Vulcan foi utilizado como bombardeiro estratégico de dissuasão (sua função primária), mas também como aeronave de reabastecimento e de reconhecimento convencional.

Avro 698, prototipo, mais tarde designado de Vulcan
O Avro Vulcan foi projetado para atender a uma especificação de 1947 do Ministério do Ar britânico para um novo bombardeiro estratégico. As exigências para a nova aeronave de que resultou o tipo Avro 698 especificavam varias melhorias relativamente aos bombardeiros da geração anterior de onde tinham resultado os Halifax e Lancaster.

A fim de atender à velocidade, alcance e carga bélica especificadas, os projetistas tiveram que adotar configurações aerodinâmicas inovadoras. A Avro selecionou uma configuração Delta sem cauda, ​​e construiu modelos para ensaio aerodinâmico em cinco escalas que foram usados ​​para explorar e testar diferentes configurações aerodinâmicas.

O Ministério do Ar encomendou dois protótipos de bombardeiros avançados concorrentes, o Avro tipo 698 e o Handley Page Victor, tendo também encomendado como medida de segurança o Vickers-Armstrongs Valiantmenos avançado que os anteriores.

Avro Vulcan B2 com misseis Douglas Skybolt, 1962
O primeiro Avro 698 fez seu vôo inaugural em 30 de agosto de 1952, e poucos dias depois, a aeronave surpreendeu o público no Farnborough Air Show na Grã-Bretanha com uma exibição de acrobacias aéreas. Com dois protótipos e as duas aeronaves de pré-produção em voo, a aeronave foi equipada com uma nova asa de ponta dobrada, para reduzir buffet de alto g. A aeronave também tinha uma flexibilidade suficiente para permitir a instalação de motores mais potentes da Olympus.


Quando entrou em serviço, o Vulcan B.Mk 1 era capaz de voar a 976km/h) auma altitude de 15,240m o que lhe conferia imunidade virtual as aeronaves de interceção.

Apenas 45 Vulcan B.Mk 1 foram construídos antes da produção mudar para o B.Mk 2 que recebeu motores Olympus 200 mais potentes e capacidade para lançar o novo missil termonuclear Blue Steel. Os Vulcan B.Mk 1 viriam a ser retirado de serviço em 1967.

A nova variante entrou em serviço no 83º Esquadrão em julho de 1960, e o novo míssil Blue Steel em 1962. Posteriormente, foi alegado que a introdução do Blue Steel tornou possível para o Comando de Bombardeiros sozinho (sem a ajuda do SAC) destruir 70% dos alvos relevantes na URSS num único “raid”.

Vista frontal de um Vulcan B2
Mais tarde o Vulcan passaria a utilizar misseis Douglas Skybolt inertes para teste como plataforma de lançamento até que o Governo dos Estados Unidos cancelou o programa.

Enquanto isso, a crescente eficácia dos SAMs Soviéticos levou a uma mudança para operações de baixo nível. Com isto os Vulcan receberam uma camada de camuflagem disruptiva cinza e verde nas suas superfícies superiores, embora a parte inferior permaneceu em branco anti-flash brilhante.

A chegado ao fim de vida operacional do Blue Steel em 1969, marcou o fim da V-Force como dissuasão nuclear estratégica da Grã-Bretanha. Esta função foi assumida por submarinos armados com mísseis Polaris, mudança que representou de facto uma redução na capacidade nuclear da Grã-Bretanha, uma vez que os 48 V-Bombers disponíveis (cada um carregando um Blue Steel) foram substituídos por dois submarinos, cada um carregando 16 mísseis.

Avro Vulcan B2 largando 21 bombas
 de  450Kg sequencialmente 
das 3 baías
Aos Vulcan passaram a ser atribuídas funções de ataque nuclear tático e de bombardeamento convencional, dois esquadrões formaram a Strike Wing da RAF Akrotiri, em Chipre. O Vulcan permaneceu em serviço com função de bombardeiro até 31 de dezembro de 1982.

No seu último ano de vida operacional foi-lhe conferida uma oportunidade para fazer história, quando dois aviões do 44º Esquadrão participaram na Operation Corporate (reconquista das Falklands da Grã-Bretanha), voando em missões de bombardeamento de longo alcance de supressão de defesa a partir da Ilha de Ascensão. Estas missões incluíram o lançamento de uma carga de 21 bombas de 450Kg sobre o aeródromo de Port Stanley, e a destruição de estações de radar inimigos usando mísseis Shrike.

Depois disso o Vulcan permaneceu em serviço por mais um breve período, em pequenas quantidades em funções de reconhecimento estratégico e marítimo, e como aeronave de abastecimento. Foi retirado do serviço ativo no ano de 1984.


DESENHOS
.


PERFIL
.



FONTES
VER TAMBÉM
.